Cuidados com a saúde no Carnaval

O carnaval está se aproximando e nesse período, a maioria das pessoas só pensam em folia e muita diversão,e esquecem de alguns cuidados essenciais. O tempo quente e o gasto elevado de energia podem comprometer a sua saúde.

Durante os quatro dias de folia do carnaval, o calor normalmente é muito intenso e com o verão atingindo temperaturas muito altas, os cuidados com a alimentação devem ser redobrados,

Devemos dar preferência aos alimentos do tipo carboidratos, pães, massas, batata, arroz, cereais, que possuem alta fonte de energia, assim como as hortaliças, frutas e legumes que também são ótimas fontes de vitaminas, minerais e fibras, além de serem alimentos refrescantes que combinam com alta temperatura do verão,

Os alimentos gordurosos devem ser evitados, pois além de serem muito calóricos tem uma digestão lenta e difícil. Se quiser manter longe a indisposição e cansaço evite carnes gordas, frituras, salgadinho e doces calóricos,

Neste período, a perda de líquidos e sais minerais é elevada, sendo assim o consumo de água requer atenção. Durante o consumo de bebidas alcoólicas é importante que as pessoas bebam água, pois a cerveja, vodka, entre outras bebidas não hidratam o nosso organismo, ao contrário de hidratar, o consumo de bebidas alcoólicas estimula que o organismo expulse a água do corpo pela urina.

A reposição adequada de líquidos também faz parte da festa, pois há muita perda também pelo suor, e sua reposição previne a fadiga. Beba muita água, sucos naturais, e água de coco.

Alimente-se com comidas leves, hidrate-se, e aproveite bem o carnaval!

HPV – Papiloma Vírus Humano

4.0.4

Precisamos conhecer

Papiloma Vírus Humano, responsável pela doença sexualmente transmissível mais comum, é um vírus que infecta a pele e a mucosa. São diversos tipos de vírus HPV, desde os de ação nos genitais que se manifestam através de verrugas, até os que causam câncer. Segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer), 25% das brasileiras estão infectadas, sendo que 3% a 10% é que desenvolvem um câncer relacionado.

Segundo informações da Comissão de Doenças Infecto-Contagiosas em Ginecologia e Obstetrícia da Febrasgo, 80% de homens e 80% de mulheres, com vida sexualmente ativa, entrarão em contato com o vírus, porém somente uma pequena parcela desenvolverá algum tipo de doença relacionada ao vírus.

Nem todos os tipos de HPV provocam câncer de colo uterino, mas quase 100% dos casos de câncer de colo de útero, assim como 90% dos casos de câncer de ânus, 30% dos casos de câncer de boca, e quase 50% dos casos de câncer de pênis, tem relação com o HPV. Uma mulher que tem o HPV tipo 16, tem chance 500 vezes maior de desenvolver câncer de colo de útero em comparação a uma mulher que não tenha o vírus.

Como pode ser diagnosticada a presença do HPV?

Através da realização do exame Papanicolau, exame preventivo, que deve ser realizado pelas mulheres anualmente. No caso dos homens, os mesmos somente procuram um médico quando apresentam alguma lesão evidente. A presença de verrugas no ânus, pênis e vulva, acarretam a busca da avaliação médica.

Ter contraído o HPV e não ter a doença é possível?

Sim, a pessoa pode ter contraído o vírus, e o mesmo pode ficar na célula, mas o corpo pode não permitir que o vírus ocasione alguma lesão.

Como podemos nos prevenir do HPV?

A transmissão ocorre através do contato com a mucosa, não havendo a necessidade da penetração na relação sexual. O uso do preservativo masculino (camisinha) protege 80 %, porém a vacina é a principal maneira de prevenção dos tipos que mais causam câncer e verrugas genitais.

Quais são as vacinas?

Existem duas vacinas contra o HPV, a quadrivalente e a bivalente. A quadrivalente previne contra quatro tipos de HPV (6,11,16 e 18). O tipo 16 e 18 respondem por 70% dos casos de câncer de colo de útero, e o tipo 6 e 11 pelo surgimento das verrugas genitais.

Quem deve receber a vacina?

Este ano (2014), no mês de março, será realizada no Sistema único de Saúde (SUS), A VACINAÇÃO GRATUITA, do tipo Quadrivalente, em meninas de 11 a 13 anos. À partir de 2015 a vacinação também ocorrerá para meninas à partir de 9 anos de idade.

A vacinação também pode ser realizada em clínica particular de imunização, e custa cerca de R$ 300,00 à R$ 400,00, por dose. A vacinação é constituída de 03 doses, 1ª dose, 2ª dose após 02 meses, e a 3ª dose após 06 meses. A vacina tem eficácia comprovada para mulheres que ainda não iniciaram vida sexual.