DIA INTERNACIONAL SOBRE O ABUSO E TRÁFICO ILICÍTO DE DROGAS

piores-drogas-do-mundo

A data foi definida pela assembleia geral da ONU através da resolução 42/112 de 7 de Dezembro de 1987, implementando recomendação da conferência internacional sobre o abuso e o tráfico ilícito de drogas, realizada em 26 de Junho do mesmo ano, ocasião em que se aprovou o plano multidisciplinar geral sobre atividades futuras de luta contra o abuso de drogas.

Fatores que influenciam no consumo de drogas:

O consumo pode ser influenciado por questões genéticas e biológicas como a capacidade do cérebro em tolerar a droga, capacidade do corpo em metabolizar a droga, e a natureza da substância.

O fator psicológico também influencia, como histórico de doença psiquiátrica e expectativa positiva para os efeitos da substância, assim como os fatores sociais como a estrutura familiar, baixa escolaridade, oportunidades e opções de lazer precárias, exclusão e violência social.

Diferentes padrões de consumo da droga do tipo álcool:

Consumo de baixo risco:cercado de precauções necessárias para prevenção de acidentes (Ex: sair para beber, mas utiliza táxi)

Consumo abusivo:Exagero no consumo, sem precauções (acidentes, brigas, perda de compromissos)

Dependência:Uso frequente compulsivo destinado a evitar sintomas de abstinência

Tipos de Drogas:

Álcool – licito: Acomete 10 a 12% da população mundial, mais comum entre os homens e entre os jovens na faixa etária de 18 a 29 anos, É responsável por 60% dos acidentes de trânsito

Benzodiazepínicos – sedativo, licito, sob prescrição médica: 50 milhões de pessoas fazem uso diário, maior incidência em mulheres acima de 50 anos com problemas médicos e psiquiátricos crônicos. Atualmente, 1 em cada 10 adultos recebem prescrições de Benzodiazepínicos sob orientação médica (Midazolan, Alprazolan, Bromazepan, Lorazepan, Diazepan e etc).

Opiáceos/Narcóticos – lícitos e ilícitos: Morfina, Codeína (Elixir Paregórico) são opiáceos naturais extraídos de plantas (Papoula), Heroína é um opiáceo semi-sintético – não possui indicação médica (droga ilícita). Dolantina é semi sintética

Solvente – sintético – lícito: presentes em vernizes, tintas, colas, esmaltes e removedores. No Brasil, os solventes estão entre as drogas mais usadas por estudantes de escolas públicas e entre os adolescentes de baixa renda. Usuários crônicos apresentam quadros neurológicos e respiratórios graves

Tabaco – nicotina – lícita: O uso de drogas entre os adolescentes declina com a idade, mas isto não acontece com o tabaco, estima-se que 60% daqueles que venham a fumar por mais de 6 semanas irão continuar fumando por mais de 30 anos, e que 30 a 50% das pessoas que começam a fumar tornam-se dependentes

Cocaína e Crack – ilícita: A cocaína e o crack são consumidos por 0,3% da população mundial. No Brasil, cerca de 2% dos estudantes já usou cocaína pelo menos uma vez na vida. 0,2% já usou crack pelo menos uma vez na vida. É a substância ilícita mais utilizada entre aqueles que procuram atendimento de emergência. A faixa etária predominante é dos 20 aos 30 anos de idade.

Anfetamínicos – estimulante sintético e licito: Cria dependência e complicações graves, proibido em muitos países. O mais conhecido no Brasil é o Ecstasy.

Maconha – alucinógeno, natural – ilícita: É a droga ilícita mais usada mundialmente, 40 % da população nos EUA já usou maconha pelo menos uma vez. Os jovens iniciam na adolescência e a maioria para por volta dos 20 anos. A dependência da maconha acontece para 1 em 10 daqueles que usaram maconha na vida após 4-5 anos de consumo pesado.

 

Rede de apoio

Alcoólicos Anônimos – Tel 33159333

Seviço de informação Paulista Al-Anon – Tel 3228-7425 (álcool)

Narcóticos Anônimos – Tel 3229-7523

PrevFumo – Tel 5904-8046 / 5572-4301

Prevenção de quedas em idosos

Features-CCT

O Brasil assim como outros países no mundo vivenciam um processo de envelhecimento de sua população, que associado às falhas na assistência e a falta de prevenção de quedas em idosos, fez com que o número de casos de fratura óssea aumentasse muito em nosso país.

Quanto mais avançada à idade, a probabilidade de uma queda aumenta. Trabalhos estatísticos demonstram que 30% das pessoas de 60 anos ou mais sofrerá uma queda no ano. Em 5% desses casos haverá uma fratura, de localização mais comum no fêmur, vértebra, ou punhos.

As fraturas do Fêmur são as que acarretam o maior índice de mortalidade: 20% dos casos em até um ano.

A maioria dos idosos não possui plano de saúde, ficam dependentes dos hospitais públicos e consequentemente permanecem em filas no aguardo do tratamento cirúrgico, o que acarreta maior permanência do idoso na cama, com perda muscular e maior risco em contrair infecções como as pulmonares e urinárias.

Existem vários tipos de cuidados que podemos ter em nosso dia a dia para reduzir a chance de queda como:

  1. Coloque calça e sapato sentado. Prefira calçado de salto baixo e que não soltem do pé;
  2. Evite o uso de tapetes na residência;
  3. Instale e utilize o corrimão ao subir e descer escadas e coloque fita antiderrapante nos degraus;
  4. Evite subir em banquinhos ou escadas para pegar objetos;
  5. Deixe os ambientes sempre bem iluminados, deixe uma luz noturna no quarto, e utilize cores vivas nas paredes;
  6. Evite alimentos que podem produzir tontura e favorecer a queda como café, chá mate, coca-cola, chá preto;
  7. Utilize medicamentos somente com prescrição médica;
  8. Não cortar drágeas e comprimidos revestidos;
  9. Não abrir cápsulas;
  10. Não mude a dosagem do medicamento sem orientação médica
  11. Realize consulta oftalmológica periodicamente para detectar possível necessidade do uso de lentes corretivas;
  12. A consulta periódica no Otorrinolaringologista é importante porque a diminuição da audição pode influenciar no equilíbrio da pessoa;
  13. A prática de jardinagem, aulas de dança de salão, levantar e sentar várias vezes seguida, dar uma volta no quarteirão toda manhã, fortalecem e dará maior segurança a pessoa;
  14. Procure praticar sob orientação exercícios físicos regulares e apropriados para a idade, que ajudará no equilíbrio, aumentará sua força muscular e reduzirá sua perda óssea.

 

Fonte: Folha de SP e CRIZN