HEPATITES – PENSE DE NOVO NA PREVENÇÃO

cartão_postal.cdr

Este é o tema do Dia Internacional de Combate as Hepatites Virais , comemorado em 28 de julho, data escolhida pela Organização Mundial de Saúde, com apoio de várias entidades mundiais, e é utilizado como marco para a criação de campanhas de conscientização a respeito do tema.
Para uma doença que tem uma mortalidade que a coloca no 8º lugar entre todas as causas de morte no mundo inteiro, muito pouco ainda é feito e divulgado!

A Hepatite viral é a maior causa de câncer do fígado. E o câncer do fígado é a segunda maior causa de óbito por câncer!

O que é hepatite?

É qualquer inflamação do fígado. Podem ser causados por infecções (vírus, bactérias), álcool, medicamentos, drogas, doenças hereditárias (depósitos anormais de ferro, cobre) e doenças autoimunes. A grande preocupação é em relação às Hepatites Virais, que matam anualmente 1,5 milhão de pessoas em todo o mundo, número equivalente às mortes decorrentes da AIDS, mas sem a mesma divulgação e importância pelos canais de mídia.

Tipos de hepatites:

Hepatite Viral A:

Via fecal-oral, ou seja, fezes de pacientes contaminam a água de consumo e os alimentos como frutas e verduras, quando há condições sanitárias insatisfatórias. Na maioria dos casos a evolução clínica é bastante favorável, sendo raros os casos com complicações.

Hepatite Viral B:

No Brasil, 15% da população já foi contaminada e 1% é portadora crônica.
É transmitida pelo contato com o sangue ou com outros líquidos orgânicos ( saliva e sêmen), sendo assim as relações sexuais e a injeção de drogas ilícitas são principais vias de transmissão. A aquisição pela transfusão sanguínea e seus derivados deixou de ser o principal motivo, desde a implantação dos rigorosos cuidados vigentes nos bancos de sangue. Pode ser transmitida durante o parto da mãe para a criança, que deverá receber a vacina nas doze primeiras horas de vida.

Hepatite Viral C:
Atinge 3% da população brasileira! A transfusão de sangue e derivados, a injeção de drogas ilícitas, o contato desprotegido com sangue ou secreções contaminadas são as principais vias. Ocorrem casos de transmissão na hora do parto mãe – bebê. Não há vacina para a Hepatite C.

Hepatite Viral D:

É um vírus que só causa doenças na presença de vírus da hepatite B. Sua forma de transmissão é a mesma do vírus B. Como a Hepatite B, também pode se cronificar. Não há vacina para a Hepatite D

Hepatite Viral E:

Fecal-oral, igual à hepatite A. É mais descrita em locais subdesenvolvidos após temporadas de enchentes. Sua evolução também costuma ser benigna, como na hepatite A. Não há vacina para a Hepatite E

O que se sente e como se desenvolve?

Há um período sem sintomas, chamado de incubação. A duração dessa fase depende do agente causador. Depois, aparecem sintomas semelhantes, por exemplo, a uma gripe, com febre, dores articulares (nas juntas) e de cabeça, náuseas (enjoo), vômitos, falta de apetite e de forças. É comum que a melhora dessas queixas gerais dê lugar ao aparecimento dos sintomas típicos da doença, que são a coloração amarelada da pele e mucosas (icterícia), urina escura (cor de Coca-Cola) e fezes claras. Pode-se notar o aumento do tamanho do fígado, com dor quando se palpa a região abaixo das costelas do lado direito. A duração dessa fase varia de 1 até 4 meses.

Como o médico faz o diagnóstico?

O médico, além da história e do exame clínico, pode testar sua hipótese diagnóstica de hepatite, principalmente, através de exames de sangue. Entre esses, há os chamados marcadores de hepatites virais e autoimunes.

Como se trata?

Para as hepatites agudas causadas por vírus não há tratamento específico, à exceção dos poucos casos de hepatite C descobertos na fase aguda, na qual o tratamento específico pode prevenir a evolução para a doença crônica. O repouso total prolongado e a restrição de certos tipos de alimentos, nas hepatites, não ajudam na recuperação do doente e também não diminuem a gravidade da doença. De forma geral, recomenda-se repouso relativo conforme a capacidade e bem-estar do paciente, bem como alimentação de acordo com a tolerância. Excepcionalmente, é necessária a administração de líquidos endovenosos. Bebidas alcoólicas são proibidas até algum tempo após a normalização dos exames de sangue. Remédios só devem ser usados com específica liberação do médico para evitar o uso daqueles que possam piorar a hepatite.

Como se previne?

As hepatites A e B podem ser prevenidas pelo uso de VACINA!!
Para prevenção da hepatite A é importante o uso de água tratada ou fervida, além de seguir recomendações quanto à proibição de banhos em locais com água contaminada e o uso de desinfetantes em piscinas. A hepatite B também é prevenida da mesma forma que a AIDS, ou seja, usando preservativo nas relações sexuais e não tendo contato com sangue ou secreções de pessoas contaminadas (transfusões de sangue usam de agulhas e seringas descartáveis não reutilizadas).

A hepatite C é prevenida da mesma forma, porém o risco de contágio sexual não está bem estabelecido.

Evite compartilhar seringas, escovas de dente, tesouras e alicates de unha.

Deve-se ter cautela em não se submeter a tatuagens e colocação de “piercings” em locais sem condições de higiene adequadas.

Fontes: Sociedade Brasileira de Hepatologia / abc da saúde
– www.worldhepatitisalliance.org
– www.worldhepatitisday.org

Cuidados com a pele no inverno

20140725

O inverno é uma estação em que muitas pessoas intensificam os cuidados com a pele. A preferência por procedimentos estéticos nessa estação é motivada pela limitação de exposição solar que muitos tratamentos exigem.

No entanto, a estação exige também uma atenção especial para alguns hábitos que podem ser prejudiciais à saúde da pele, como, por exemplo, o abuso de banhos longos e quentes.

Segundo a dermatologista Márcia Grieco, práticas como as citadas acima podem provocar uma diminuição da barreira lipídica (camada de gordura que envolve e protege a pele e seus anexos – pelos, cabelos, unhas e glândulas).

A especialista também compartilha outras dicas para o cuidado com a pele nesta época do ano:

– Evite banhos muito quentes e demorados (um ou, no máximo, dois ao dia);

– Não use buchas, esponjas e esfoliantes;

– Cuidado com o excesso de sabonete. Dê preferência aos brancos com Ph neutro e ensaboe somente face, axilas, virilha e pés;

– Prefira sempre tecidos naturais em contato com a pele;

– Use hidratantes pós-banho no corpo todo, com reforço em áreas mais secas como cotovelos, joelhos e pernas. As substâncias mais usadas são à base de ureia, ceramidas, alfa e alfahidroxiácidos que devolvem a camada de proteção à pele e aos seus anexos – pelos, cabelos, unhas e glândulas;

– Hidrate-se também por via oral. É indicado de um a dois litros de água por dia;

– Não dispense o uso do filtro solar FPS 30. Mesmo no inverno, os raios UVA/UVB continuam atingindo o corpo e podem levar ao fotoenvelhecimento e câncer de pele.

Fonte: Tree Comunicação (Assessoria do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos)

Prevenção não tira férias: aproveite também o mês de julho para se prevenir e cuidar da saúde

EC3490-012

O mês de julho para muitos é mês de férias, de curtir a família, viajar e relaxar. Mas também deve ser o momento para lembrar de cuidar da saúde. Aproveite essa época para fazer os seus exames anuais de rotina, pois a prevenção e o diagnóstico precoce de doenças são fatores extremamente importantes.

A prevenção pode começar com uma simples observação a sinais ou sintomas diferentes em seu corpo e procurar um médico é fundamental tanto nesses casos como para a realização dos exames de rotina que podem detectar precocemente doenças, como o câncer.

No Dia do Homem, médico alerta para as principais doenças masculinas

16702386

Pouca gente sabe, ou se importa, mas hoje é celebrado o Dia do Homem. As comemorações foram iniciadas em 1999 pelo Dr. Jerome Teelucksingh em Trinidad e Tobago, apoiado pela Organização das Nações Unidas e vários grupos de defesa dos direitos masculinos. Internacionalmente, ele é celebrado no dia 19 de novembro, mas, devido a uma iniciativa da Ordem Nacional dos Escritores, no Brasil ele é comemorado no dia 15 de julho. A criação da data teve como objetivo a promoção da saúde dos homens e a busca por igualdade entre gêneros.

O presidente da Sociedade Brasileira de Urologia seccional Rio Grande do Sul, Gustavo Franco Carvalhal, destaca que o urologista tem um papel importante na prevenção de doenças masculinas. Um estudo americano divulgado no The Journal of the American Medical Association em 2004 mostrou que a disfunção erétil é a primeira pista antes do aparecimento de doenças vasculares ou do coração.

– O urologista é o gatekeeper, o primeiro médico que vai atender esse homem que pode apresentar problemas vasculares ou cardíacos no futuro. Por isso a importância do homem deixar o preconceito de lado e consultar um médico – afirma o especialista.

Indagado por ZH, o urologista listou os principais problemas de cada fase da vida masculina:

Infância (até os 10 anos) – muito comum a incidência de infecções urinárias e fimose. Os pais devem ficar atentos.

Adolescência – o jovem deve estar atento às doenças sexualmente transmissíveis e AIDS. Qualquer anormalidade, o jovem deve procurar o médico.

Adulto – a formação de cálculos urinários é comum nos adultos jovens. Após os 40 anos, é indicado fazer um check up urológico e um exame para câncer de próstata.

Idoso – após os 65 anos, muitos homens podem apresentar disfunção hormonal, também conhecida como andropausa. Nesse caso, o paciente deve procurar um médico para fazer reposição de testosterona.

Carvalhal acredita que o Dia do Homem é uma data para disseminar essa cultura de prevenção e importante para conscientizar a importância do médico na vida masculina.

– A saúde do homem tem entrado na pauta governamental. E, para nós urologistas, é mais importante ainda pois somos muitas vezes o primeiro médico que examina esse paciente. Queremos os homens vivendo mais e melhor.

Fonte: ZeroHora.com.br